Você talvez tenha ficado sabendo que na última quarta, dia 17 de junho, o governo anunciou um corte significativo na taxa Selic, a taxa básica de juros brasileira, o que fez com que ela atingisse o valor mais baixo desde a sua criação, em 1999.

Mas afinal o que isso significa? Qual o motivo dessa redução?

 

Indo direto ao que interessa

 

Bom, se você quer que a gente resuma em uma explicação, é o seguinte. O objetivo do governo ao reduzir o valor da taxa Selic é facilitar o acesso ao dinheiro. É estimular as pessoas a gastarem o dinheiro que elas têm, em vez de deixarem o dinheiro parado em uma poupança, por exemplo.

Se tudo der certo, portanto, uma redução na taxa Selic significa que as pessoas vão gastar mais em produtos e serviços a partir de agora. Mas vamos entender um pouco mais de perto como isso funciona.

 

Afinal, por que uma taxa Selic baixa ajuda a promover o consumo?

 

Bom, isso acontece por duas razões:

  • Primeiro, quanto mais baixa for a Selic, menos vale a pena deixar dinheiro investido na poupança. Uma taxa Selic baixa significa que você vai ser muito pouco recompensado fazendo isso.
  • Segundo, uma taxa Selic baixa significa que os bancos correm um risco menor ao emprestar dinheiro para as pessoas. Portanto, você pode pegar dinheiro emprestado do banco mais facilmente, com juros menores. Assim, você e todo mundo vai ter mais facilidade em conseguir dinheiro emprestado, fazendo a economia girar.

Ou pelo menos essa é a ideia. Na prática, as coisas podem ser um pouco diferentes. Vamos ver porque.

 

Fatores que podem neutralizar o efeito da Selic

 

Acima, nós vimos as duas razões pelas quais uma redução na taxa Selic deveria promover o consumo. De modo paralelo, vamos ter duas principais razões pelas quais as coisas podem não sair como esperado:

Mesmo sendo pouco recompensadas deixando o dinheiro na poupança, as pessoas, mesmo assim, podem preferir deixar o dinheiro lá. Nesse caso, isso acontece porque elas se sentem inseguras quanto ao futuro e simplesmente preferem não gastar dinheiro no momento.

Mesmo os bancos sendo "ajudados" pelo governo a emprestar dinheiro a juros baixos, eles podem simplesmente decidir não emprestar, avaliando que a empresa ou pessoa que está pedindo o empréstimo não preenche os requisitos de segurança do banco.

Portanto, tanto as pessoas quanto os bancos podem se sentir inseguros, e com isso reduzir o efeito esperado da redução da taxa.

 

Duas análises sobre a redução da Selic

 

Em matéria publicada quarta-feira, 17 de junho, o site de notícias Nexo conversou com dois economistas sobre essa última redução da taxa Selic.

Para André Roncaglia, professor de economia da Unifesp, "conforme as pessoas vão ficando com uma sensação muito ruim com relação ao futuro, elas tendem a segurar mais dinheiro. As pessoas não estão consumindo. Elas não sabem o que vai acontecer lá na frente". André conclui o raciocínio dizendo que o efeito dessa redução da taxa Selic "é mais para apaziguar os ânimos e a ansiedade".

Já para Marcelo Kfoury, professor de economia da FGV-EESP, a medida é necessária. "Numa época de insegurança", diz ele, "a poupança precaucional, de cautela, aumenta, mas a política monetária pode ajudar no sentido de renegociar dívidas com juros mais baixos".

Esperamos ter ajudado você a ter uma ideia inicial sobre esse assunto!

Para saber mais, leia a matéria completa do Nexo, que citamos acima. Lá você pode ler os depoimentos completos dos economistas que citamos.

Continuemos!